Follow by Email

Follow by Email

Follow by Email

23 de fev de 2016

Cumplicidades

Imersa numa humanidade de caráter tão violento me percebi surpreendida com um simples acontecimento do cotidiano. Um caso de cumplicidade. Não daquelas que dizem respeito a parcerias na culpa ou responsabilidade por furtos ou outros crimes hediondos nas quais uma dupla ou um grupo se protegem e apoiam para causar medo e obter proteção. Mas àquele tipo de cumplicidade que só recebemos e/ou construímos com alguém que nos compreende, que consegue se colocar no lugar do outro e assim também em nosso lugar. Seja por via de uma cumplicidade egoísta onde os EUs se aliam em função dos mesmos interesses, como a criação dos filhos, por exemplo, seja por algum tipo de cumplicidade narcísica onde um afeto brota por meio de identificações e ideais.
Freud nos presenteou com os conceitos de Eu ideal e Ideal de Eu para compreender melhor as identificações e o amor inerente a cumplicidade. E Lacan nos disse que amar é dar o que não se tem. Isto é, para e pelo amado nos tornamos outro e somos capazes de criar em nós até mesmo novos sabores e cores que condigam com o desejo do "objeto" idealizado.
Eu diria que um amor, quando da ordem de uma verdade, mesmo que sustentado pela ilusão que o caracteriza, atravessa o tempo, viaja para a dimensão do impossível e dá o que de mais precioso há: a vida. Essa cumplicidade no viver ou morrer por amor ao outro, surpreende-me cada vez mais nesse mundo de contrastes, onde facilmente se destrói em nome de um Outro ou de um Deus. Que a cumplicidade, produção do amor, se estenda "ut orbis".

Nenhum comentário:

Postar um comentário